FITOTERAPIA

FITOTERAPIA

Terapia pelas plantas

A arte de se utilizar plantas na cura de doenças e manutenção da saúde surgiu na China, há cerca de 3.000 anos a.C.

Este conhecimento vem contribuindo de forma significativa para a saúde de milhares de pessoas ao redor do mundo. Pacientes que buscam tratamentos alternativos à prevenção e cura de doenças.

Quando a planta medicinal é industrializada para se obter um medicamento, tem-se como resultado o fitoterápico. O processo de industrialização evita contaminações por microrganismos, agrotóxicos e substâncias estranhas, além de padronizar a quantidade e a forma certa que deve ser usada, permitindo uma maior segurança e eficácia de uso.

O que são medicamentos fitoterápicos:

A fitoterapia utiliza plantas medicinais, cujas propriedades podem aliviar os sintomas ou curar enfermidades.  Quando essas plantas são processadas em laboratório, esse processo impede a contaminação e gera mais segurança no uso, dando origem ao medicamento fitoterápico.

Como é o tratamento:
  • Após o diagnóstico do paciente para se determinar as causas de sua patologia, é feita a escolha da planta adequada à situação. Para se fazer essa escolha leva-se em consideração as características químicas de cada planta e o seu poder de atuação específica no corpo. Além dessa ação específica de cada planta, muitos fitoterápicos  possuem uma composição de diferentes plantas, potencializando os efeitos e causando uma ação conjunta para combater determinada doença.
  • É muito importante que o tratamento seja ministrado por fitoterapeutas ou médicos experientes porque o uso inadequado de plantas naturais também pode causar danos à saúde se não for bem orientado.

 

Doenças que podem ser tratadas com Fitoterapia:
  • A Fitoterapia pode ser utilizada como tratamento principal ou coadjuvante em inúmeras doenças.  As plantas medicinais podem ser utilizadas por exemplo, como anti-inflamatória, anticoagulante, antibacteriana, antiviral, analgésica, antialérgica e outras.
    Como coadjuvante em tratamentos, pode contribuir para evitar o agravamento em um determinado estágio de doença; pode acelerar o processo de cura ou reduzir significativamente o número de medicamentos consumidos.